STAY WITH US

Desemprego em Iranduba acarreta êxodo diário para Manaus

A proximidade com a capital amazonense e a facilidade de acesso por meio de transporte interurbano está trazendo uma nova realidade para os moradores de Iranduba que estão desempregados e buscam alternativas econômicas: durante o dia ‘migram’ para Manaus para trabalhar e estudar e, à noite, retornam para suas casas, no município.
Além da crescente insegurança, na cidade, os moradores se queixam de falta de oportunidades e do desemprego.
Segundo dados do Censo do IBGE de 2016, o município conta com um PIB per capita de R$ 13.628.57, com uma média salarial de 1,7 salários mínimos para um quantitativo de 3.894 pessoas ocupadas (8,3%).
Desempregada há cerca de 3 anos, Marta Coelho de Jesus, 25, segue em busca de uma vaga de emprego no ramo administrativo e conta com o apoio do marido para ajudar nos custos do aluguel, água e luz.
“Infelizmente está é uma situação muito comum em nosso município, pois, a coisa mais fácil é encontrar uma pessoa desempregada aqui, até porque as vagas que têm são limitadas, voltadas para as áreas do comércio (lojas, drogarias e restaurantes), estabelecimentos públicos ou nas olarias, que devido ao trabalho ‘pesado’, tem mais vagas destinadas para o público masculino”, pontuou a moradora.
Assim como outros moradores de Iranduba, Isiane Chaves, 36, também buscou novas oportunidades de emprego em Manaus, onde inclusive cursou uma faculdade. Desempregada há um ano e sete meses, ela luta para conseguir uma vaga na área escolhida, seja no município ou no outro lado da ponte, na capital amazonense.
“Não é só eu. É muito comum que as pessoas busquem oportunidades em Manaus. Hoje em dia é até comum ver pessoas trabalhando e estudando, devido a facilidade de chegar até a capital por meio da ponte”, disse a jornalista.
A busca por oportunidades em Manaus, segundo a presidente da ABRH-AM (Associação Brasileira de Recursos Humanos do Amazonas), Kátia Andrade, não é recorrente apenas no município de Iranduba, mas em todo o interior do Estado, devido à falta de políticas públicas e ferramentas políticas aos habitantes de cada localidade.
“Isto é uma característica singular do Amazonas porque como os incentivos fiscais da Zona Franca estão muito concentrados na capital, acaba ocorrendo esta migração de várias pessoas do interior. E Manaus é uma cidade-estado onde a grande maioria da população está concentrada aqui justamente pela falta de oportunidades nos municípios. Em Iranduba por exemplo, poderia ser investido algo mais forte na agricultura familiar, que é uma característica de lá, e posteriormente, ser vendido aqui em Manaus devido a proximidade entre as regiões. Mas isto não se vê, tanto, que importamos hortaliças para a nossa alimentação”, disse a especialista.
Foto e Matéria: Contra ponto 9

Postar um comentário